A sociedade contemporânea já foi permeada por várias gerações como a “X”, “Y” e “Z”. E o termo da vez é o 3C, você conhece? Ele engloba todas essas fases e diz respeito às pessoas que utilizam as redes sociais constantemente em suas vidas para diversas finalidades. Com o excesso de informações e novidades acontecendo em todo o mundo, poder ter um local para centralizar certos dados é muito importante. Você pode selecionar segmentos, curtir suas páginas de interesse, se manter atualizado, dar sua opinião através dos comentários e ainda compartilhar com os seus amigos.

Essas redes ganham cada vez mais adeptos, atualmente, chegando a marca de bilhões de usuários. O Facebook possui 1,55 bilhões de pessoas cadastradas e outras redes seguem o seu caminho como o Youtube que também ultrapassou um bilhão e o Whatssap com 900 milhões. Esses números expressam uma realidade inegável: essas ações tem um impacto direto e transformador na sociedade. Essa geração não é formada apenas por jovens, que nasceram na era da internet, mas por todos que utilizam esse espaço. As vantagens são muitas. Dialogar com os amigos, compartilhar conteúdos, se informar e expressar opiniões.

Há quem diga que as redes são prejudiciais, que distanciou as relações humanas, e que o “virtual” não deve substituir o “real”. Realmente o contato direto é fundamental, mas porque essas duas realidades não podem caminhar juntas? Elas devem. Com as novas tecnologias, a tendência dessas redes é a evolução e quem não acompanha essas mudanças pode ficar à margem. O interessante é que, pelo contrário, essas redes incluam e aproximem grupos facilitando a comunicação e o compartilhamento de experiências. Quem consegue captar esse objetivo e sabe utilizar essas ferramentas de forma produtiva em seu cotidiano, está um passo a frente.