Há alguns anos a computação em nuvens vem sendo tido como uma tendência a ser adotada por empresas e usuários comuns. Tudo se torna mais simplificado, não há mais a necessidade de gastar memória do computador para se ter acesso a um programa, um jogo, um editor de vídeos pesado ou qualquer tipo de arquivo. Antes, para se dispor do que se deseja, você tinha de se prender a um PC, notebook, HD externo ou similares; agora, basta somente possuir um bom e estável acesso à internet, e tudo o que você deseja estará ao seu alcance. Sem contar que isso pode ser feito até mesmo no seu smartphone.

A computação em nuvens vem se desenvolvendo e se tornando cada vez mais prática ao longo dos anos. Grandes nomes e grandes empresas vêm se destacando e firmando o seu nome no campo. A exemplo do Dropbox, que é um dos mais eficientes e usados. Somente é necessário reservar um espaço no disco rígido para a sincronização dos arquivos, que são duplicados no servidor do aplicativo e em outros computadores ou dispositivos que possuírem o programa instalado.

Destaque para gigantes do streaming musical, – como o Spotify e o Google Music – que possibilitam a você escutar as músicas de sua coleção em modo off-line onde estiver, bastando somente sincroniza-las à nuvem.

Porém nem tudo são flores, pois a proposta de manter informações importantes no núcleo virtual gera uma certa desconfiança em algumas pessoas, principalmente em relação à segurança. Além disso, é preciso possuir uma conexão de internet rápida e estável para se ter um aproveitamento pleno dos serviços, já que os servidores ficam em lugares distantes.

Uma coisa é certa: não se pode negar o avanço dessas tecnologias. Quem sabe em um futuro poderemos rodar todo um sistema operacional nas nuvens. Será mesmo possível? Fiquem atentos, pois só o futuro dirá.