O aumento do consumo em todo o mundo é uma das consequências do processo de globalização. Mas o que leva as pessoas a comprarem? Suprir desejos? Necessidades? Segundo um estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), aliviar o estresse é o motivo que leva 36% dos brasileiros a efetuarem uma compra.

A pesquisa foi realizada em todas as capitais brasileiras, com 745 pessoas maiores de idade. A margem de acerto foi de 95% pontos percentuais, e o objetivo era descobrir qual é o papel que as emoções desempenham na hora do consumo. Das 36% de pessoas que admitiram comprar para desopilar, a maioria são mulheres (43,7%) da classe A e B (40,2%) refletindo com isso um fenômeno sociocultural. Quase a metade dos entrevistados relataram que consumir alteram o seu humor e faz com que eles se sintam melhor.

Além de usar como uma válvula de escape, a classe feminina (37,7%) também é a que mais faz compras por impulso enquanto os homens são mais cautelosos. O público mais jovem também são os que mais adquirem produtos sem um planejamento prévio. A pesquisa diz ainda que 44,5% das pessoas não conseguem resistir aos seus desejos e efetivam o ato. 41,6% das mulheres não desistem até comprarem o que desejam, e se não o fazem aquele produto não sai dos seus pensamentos.

Esse estudo reflete muito do comportamento de compra do consumidor brasileiro, que muitas vezes usam as compras como uma tentativa de fuga dos seus problemas. O hábito, no entanto, não traz respostas e, em excesso, pode acarretar mais preocupações. Se a razão for mais valorizada nesses momentos, as chances de compras conscientes e qualificadas são bem maiores.